Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Estudantes da UFSCar desenvolvem aplicativo para Farmácia Solidária

Estudantes da UFSCar desenvolvem aplicativo para Farmácia Solidária

Estudantes do curso de graduação em Ciência da Computação da UFSCar brilharam na edição 2019 do Prêmio LF de Computação, destinado a projetos estudantis de inovação que utilizem as tecnologias de informação e comunicação (TICs) para melhorias na sociedade: duas equipes da Universidade ficaram com o primeiro e o segundo lugares no IV Prêmio LF, entregue durante o Webmedia 2019 - XXV Simpósio Brasileiro de Sistemas Multimídia e Web.

Estudantes do curso de graduação em Ciência da Computação da UFSCar brilharam na edição 2019 do Prêmio LF de Computação, destinado a projetos estudantis de inovação que utilizem as tecnologias de informação e comunicação (TICs) para melhorias na sociedade: duas equipes da Universidade ficaram com o primeiro e o segundo lugares no IV Prêmio LF, entregue durante o Webmedia 2019 - XXV Simpósio Brasileiro de Sistemas Multimídia e Web. Principal evento da área no Brasil, promovido pela Sociedade Brasileira de Computação (SBC), o Simpósio neste ano aconteceu na cidade do Rio de Janeiro, de 29 de outubro a 1º de novembro.

A equipe contemplada com o primeiro lugar desenvolveu o projeto "Remediando a sobra de medicamentos", um aplicativo destinado ao gerenciamento de estoque e atendimento em farmácias solidárias. Os autores do projeto são os estudantes de graduação Alisson N. V. Amancio e Bianca G. Martins, junto com o mestrando Bruno de Mendonça, do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC), sob orientação de Cesar Augusto Camillo Teixeira, docente do Departamento de Computação (DC).

Teixeira conta que a iniciativa surgiu de uma demanda do Fundo Social de Solidariedade de São Carlos, interessado em montar uma Farmácia Solidária no Município. O docente explica que, como uma farmácia desse tipo é montada com doações - de empresas, outras farmácias, médicos e, também, de outros consumidores -, há uma série de necessidades diferentes das farmácias tradicionais, para as quais já existem softwares prontos no mercado. Exemplos dessas particularidades são a chegada de remédios avulsos ao estoque, com características próprias como, dentre outras, o número de comprimidos disponíveis (e não grandes caixas com várias embalagens menores exatamente iguais entre elas); a entrada de remédios próximos à data de vencimento, que precisam ser monitorados atentamente para retirada imediata do estoque caso esse prazo vença; e o atendimento a um público muitas vezes com baixa escolaridade, ao qual é ainda mais importante oferecer o máximo de orientações possível. Além do equacionamento dessas questões, estão entre os planos para o futuro a integração com redes sociais, para a busca de remédios não disponíveis, e a multiplicação do uso em uma rede de farmácias solidárias, para facilitar, inclusive, a troca de medicamentos de acordo com a demanda.

O segundo lugar no Prêmio LF ficou com o projeto "Picolê: Um sistema para criar e gerenciar atividades pedagógicas lúdicas", desenvolvido pelos estudantes de graduação Gabriel T. Nardy, Mariana Silva, Matheus Silva e Rafael Saito, junto com Mendonça e Teixeira e, também, com Kamila Rios da Hora Rodrigues, professora substituta no DC. O desenvolvimento partiu de uma demanda da Acorde, associação sem fins lucrativos que atende crianças e adultos com problemas de saúde mental em São Carlos, por um sistema que permitisse, ao mesmo tempo, o cadastro e gestão de pessoas, agendas e atividades. Além disso, a solução desenvolvida permite que profissionais de Saúde e Educação criem com facilidade atividades terapêuticas e pedagógicas personalizadas para cada pessoa atendida, com arquivos de áudio, vídeo e imagens, diferentes graus de dificuldade e feedback das ações realizadas. Neste caso também há a intenção de tornar a plataforma mais genérica, para que outras instituições possam utilizar.

"Nós estávamos confiantes, pois os trabalhos foram muito bem planejados, em parceria com as entidades nas quais a demanda teve origem", conta o orientador, lembrando que o LF do Prêmio vem do nome de Luiz Fernando Gomes Soares, docente da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) já falecido, cujo trabalho na área da Computação sempre esteve próximo de questões sociais vinculadas às comunidades cariocas. Na UFSCar, Teixeira buscou imprimir este mesmo caráter de compromisso social à disciplina "Desenvolvimento de aplicativos para dispositivos móveis", ministrada desde o início de 2018, na qual os projetos premiados foram iniciados. Próximo da aposentadoria, o docente conta que tem planos de criar uma organização sem fins lucrativos para dar continuidade ao desenvolvimento destes e outros aplicativos para entidades como as organizações não governamentais (ONGs), em parceria com a empresa Tokenlab Soluções Digitaisspin-off do Laboratório de Inovação em Computação e Engenharia (Lince), coordenado por Teixeira.

Fonte: